Passar para o Conteúdo Principal
 

FCT projeta a utilização de Sistemas de Avaliação Remota no ensino superior

FCT projeta a utilização de Sistemas de Avaliação Remota no ensino superior

Iniciativa pretende dar resposta à abrupta migração em massa para o ensino a distância devido à pandemia de Covid-19.

 

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) está presentemente a realizar um conjunto de ações que irão ajudar a validar a possibilidade de utilização de Sistemas de Avaliação Remota (SAR) no ensino superior. Este projeto piloto está a ser desenvolvido pela FCCN, a Unidade de Computação Científica Nacional da FCT, e foi desencadeado pela necessidade urgente de se promoverem soluções de avaliação remota para as instituições de ensino superior (IES), devido à abrupta migração em massa para o ensino a distância devido à pandemia de Covid-19.

Os SAR fornecem opções confiáveis de verificação e monitorização de identidade para uma apreciação letiva fidedigna, seja para validar à distância a aprendizagem de um programa de ensino ou para organizar remotamente avaliações em larga escala. Está assim em curso, enquadrado no âmbito do projeto “Nau – Sempre a Aprender” da iniciativa INCoDe.2030, a ativação de um projeto centrado na contratação de plataformas maduras, com vários anos de desenvolvimento e operação em IES por todo o mundo e com necessidades semelhantes às nossas.

Estão em estudo e a serem comparadas quatro plataformas diferentes, sendo o processo conduzido em conjunto com representantes de universidades e politécnicos, sob a coordenação da equipa da unidade FCCN que garante o acesso aos SAR em análise e promove soluções de forma a que se conclua da forma mais célere possível.

Não existindo uma solução “à medida”, que dê garantias de cobrir, à partida, todas as diferentes necessidades apresentadas pelas IES, como opções de online proctoring, live proctoring, auto proctoring, verificação de identidade, testes gravados e integração com LMS (Moodle, EdX, etc), as soluções selecionadas serão testadas durante um mês, financiadas e adquiridas centralmente e com testes reais de IES já identificadas (e outras que se poderão juntar), o que permitirá fazer entre 1.000 a 3.000 testes por cada solução, dependendo do formato escolhido, para um total de 3.000 a 9.000 testes.

Terminado este processo, os responsáveis das IES apresentarão um relatório com os resultados, que deverá incluir as aprendizagens, boas e más experiências, identificadas por docentes e alunos.

Está a ser planeado mais um webinar no âmbito da iniciativa Metared, a ser anunciado brevemente, e que marcará o início do projeto e em que serão dados detalhes aos vários agentes de como pode ser solicitado o acesso às plataformas.