Passar para o Conteúdo Principal
 

Workshop ORCID na Unidade FCCN

Workshop ORCID na Unidade FCCN

A Unidade FCCN acolheu, no dia 17 de janeiro, o primeiro workshop da ORCID (Open Researcher and Contributor ID) – a organização internacional que procura aproximar investigadores e cientistas de todo o mundo. O evento juntou, em Lisboa, 58 representantes de países aderentes. 

Os participantes chegaram de todo o globo: Japão, Rússia, Eslováquia, Brasil ou Noruega são alguns dos exemplos. De resto, o objetivo deste encontro, explica a ORCID, no seu site, passou pela “reforço da comunidade” e pela “partilha de experiências”.

No mesmo sentido, a missão da ORCID centra-se na aproximação da comunidade científica, ao promover a atribuição de identificador individual único a todos investigadores. Por esta razão, esta é uma das associações que participam no PTCRIS – o projeto da Unidade FCCN que procura facilitar a produção e o acesso à atividade científica nacional.

O workshop de 17 de janeiro incluiu ainda a distinção de alguns dos parceiros desta rede pela promoção da mesma na sua região. Representantes do Reino Unido, Itália, Austrália, Nova Zelândia e Alemanha receberam, desta forma, prémios que reconhecem o trabalho realizado em áreas como inovação, desenvolvimento de ferramentas ou inclusão.

Durante o workshop foram ainda apresentados um poster e um vídeo elaborados pela unidade FCCN, com o objetivo de promover o PTCRIS.

PTCRISync from PTCRIS – FCT on Vimeo.

Cinco chaves para um objetivo
De acordo com a participante Linda O’Brien, há cinco conclusões principais a reter deste encontro. Citada pela ORCID, a australiana destaca a importância de entender os contextos regionais dos parceiros, bem como de colocar em evidência os benefícios da participação nesta rede.

Por outro lado, realçou, será essencial saber comunicar as boas práticas existentes na rede, promovendo o compromisso das instituições e dos investigadores. Tudo para que seja alcançado o “objetivo final”, conclui a ORCID: “melhorar a forma como os resultados de investigação são
partilhados”.