imagem decorativa
Portugal é o primeiro país europeu a ver ligada por fibra, a sua NREN (National Research and Education Network), a rede nacional de investigação e ensino, através na nova geração da rede europeia GÉANT. A ativação foi feita por meio da ligação direta entre o Porto e Bilbao, no âmbito do projeto GÉANT (GN4-3N).

No passado dia 25 de junho foi ativado um acesso direto, entre a Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade (RCTS), a rede nacional de investigação e ensino gerida pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) através da sua Unidade FCCN, e a rede europeia GÉANT. A instalação concluiu-se na cidade do Porto, numa ligação direta a Bilbao, aumentando assim a flexibilidade e redundância da conetividade portuguesa.

Esta ação, realizada no âmbito do projeto GÉANT (GN4-3N), está alinhada com o projeto RCTS100 e permitiu que a RCTS fosse a primeira rede nacional de investigação e ensino (NREN) a migrar para a nova geração desta infraestrutura de fibra da rede europeia.

Para além deste reforço de conetividade internacional, o qual garante proteção da rede de eventuais falhas, esta nova ligação vai, em articulação com as rotas Lisboa-Porto e Lisboa-Madrid, garantir benefícios significativos na performance e flexibilidade da rede e suas respetivas interligações. Prevêm-se ainda benefícios de redução em custos, a longo-prazo.

Graças a esta integração, Portugal torna-se assim o primeiro país cuja rede nacional de investigação e ensino migra para a nova rede de fibra da GÉANT – a rede europeia que articula as congéneres da FCCN. Este projeto europeu de alargamento e atualização da conetividade pan-europeia implica um investimento de cerca de 63 milhões de euros e visa apoiar a transição das redes nacionais para conetividade de fibra, visando a redução do digital divide europeu. Há cerca de dez anos que a infraestrutura de rede da GÉANT não via atualizações tão profundas e impactantes.

Em Portugal, esta nova ligação foi acompanhada, ao nível da conetividade nacional, no âmbito do projeto RCTS100, cofinanciado pelo Compete, Lisboa2020 e Algarve2020, através do qual a FCCN tem trabalhado no reforço da Rede Nacional de Investigação e Ensino (RCTS), tendo em vista a criação de capacidade potencial de entrega de serviços a 100Gbps.

No final de 2020, por exemplo, foram ativadas seis novas rotas de ligação em Beja, Bragança, Vila Real e Viseu. Já em 2021, quatro novos anéis de fibra foram ativados na cidade de Lisboa. 

“O [projeto] RCTS100 consiste no alargamento da infraestrutura de fibra ótica e na atualização tecnológica da rede académica portuguesa”, explica o Coordenador Geral da Unidade FCCN, João Nuno Ferreira, acrescentando que “o desenho da nova rede GÉANT, em que a FCCN esteve diretamente envolvida, desde a primeira hora, representa um marco histórico a diversos níveis: não só aumenta a resiliência da RCTS, nas suas ligações à Europa e ao resto do mundo, como estas ligações são feitas com recurso a meios mais flexíveis e com maior capacidade.”

Em conclusão, o coordenador geral da FCCN acrescenta ainda que “também importante é o aumento de recursos da rede GÉANT, instalados na Península Ibérica, com maior redundância nas ligações às restantes regiões europeias, bem como um maior equilíbrio nas ligações entre as várias regiões. Deste modo as comunidades de utilizadores da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, ficam preparadas e com os meios adequados para abraçar os novos desafios do ciclo de financiamentos que se inicia agora, quer a nível nacional como internacional.”

NREN GN4 3N illustrative map GEANT Network fccn FCCN Unidade de Computação
Mapa ilustrativo da nova geração da rede europeia GÉANT

Uma notícia no blog CONNECT da GÉANT, dedicada ao mesmo tema está disponível para leitura.

Outros artigos relacionados