imagem de destaque

Programa Europa Digital (DIGITAL) vai financiar projetos dedicados à aproximação entre tecnologias digitais, cidadãos, empresas e administrações públicas. O que já se sabe sobre este programa? 

Programa Europa Digital: “A moldar o futuro da Europa”

É desta forma que a Comissão Europeia apresenta o impacto da sua mais recente iniciativa – o Programa Europa Digital (DIGITAL). O novo programa tem como objetivos a aceleração e transformação digital da indústria e administração pública, em benefício dos cidadãos, empresas e estado. Por essa razão, esta iniciativa está enquadrada no quadro de financiamento comunitário 2021-2027, funcionando em articulação com programas como o Horizon Europe ou o Connecting Europe Facility.

No total, o programa contempla um orçamento de 7.6 mil milhões de euros, sendo também visto como uma forma de acelerar a recuperação económica e moldar a transformação digital na sociedade e economia europeias. Graças a estes projetos, realça a Comissão Europeia, todos e todas receberão benefícios, com especial foco nas pequenas e médias empresas.

No dia 11 de maio, foi publicado no Jornal Oficial da União Europeia o regulamento que estabelece o enquadramento financeiro para o programa, destacando como objetivos gerais e a promoção de “uma melhor exploração do potencial industrial das políticas de inovação, investigação e desenvolvimento tecnológico”.

Cinco áreas interligadas

Numa altura em que a pandemia da Covid-19 reforçou a importância da tecnologia, a Comissão Europeia realça a pertinência da Europa não ser dependente de “sistemas ou soluções importadas de outras regiões do mundo”. Nesse sentido, o programa DIGITAL vai financiar propostas de transformação digital enquadradas em cinco áreas diferentes: 

  • supercomputação
  • inteligência artificial, dados e cloud
  • cibersegurança
  • competências digitais avançadas
  • promoção do uso de tecnologias digitais

O regulamento destaca que as cinco áreas específicas de atuação para os projetos financiados, ainda que distintas, são interligadas, uma vez que, por exemplo, “a Inteligência Artificial precisa de cibersegurança para ser digna de confiança”. Desta forma, os diferentes objetivos específicos não devem ser encarados isoladamente, mas como parte central de um conjunto coerente.

Para além da sua vertente de financiamento, o DIGITAL prevê também a criação de uma rede inicial de Pólos Europeus de Inovação Digital ou European Digital Innovation Hubs. Estas estruturas vão ser responsáveis por desenvolver sinergias adequadas com as ações relevantes financiadas pelo programa Horizon Europe [Horizonte Europa] ou por outros programas de pesquisa e inovação. Assim, os Polos Europeus de Inovação Digital têm como objetivo ser facilitadores, aproximando indústrias, empresas e administrações públicas que necessitem de soluções tecnológicas.

A computação de alto desempenho

O regulamento publicado deixa ainda algumas linhas gerais sobre os vários objetivos específicos do programa. No caso da computação de alto desempenho, o documento destaca que estas soluções deverão ser utilizadas “de forma mais generalizada por parte da indústria e, de modo mais geral, em domínios de interesse público”. 

Desta forma, será possível aproveitar as oportunidades únicas que os supercomputadores oferecem à sociedade “em matérias de saúde, ambiente e segurança, bem como de competitividade do setor industrial, em especial das PME”. Nesse sentido, é prevista “a aquisição de supercomputadores de topo” que assegurem o funcionamento de um sistema de computação de alto desempenho “de acordo com os valores e princípios da União”.

Esta dimensão do programa vem reforçar o trabalho realizado pelos Estados-Membros que assinaram a declaração EuroHPC. Ao abrigo deste compromisso, ao longo dos últimos cinco anos, este grupo de países, em que se inclui Portugal, têm vindo a implantar infraestruturas de computação de alto desempenho e de dados de ponta, para serem colocadas à disposição da comunidade científica e dos parceiros públicos e privados em toda a União. Um exemplo recente foi a instalação do supercomputador Deucalion, no Minho Advanced Computing Centre (MACC), integrado na Rede Nacional de Computação Avançada gerida pela unidade FCCN.

Para saber mais consulte este website e contate o email: Programa.Europa.Digital@fccn.pt 

Outros artigos relacionados